História / History


                                  GIACOMO, ULYSSES AND LUIZ: THE GEREMIA FAMILY 
                          THREE GENERATIONS AND 118 YEARS IMMORTALIZING MOMENTS


GIACOMO GEREMIA



By: Studio Geremia
Giacomo Geremia was born in San Martino di Lupardi, next to Padova - Vêneto in October 15th 1880. Son of Antônio and Regina, arrived in Brasil in 1892 at age 12 with his family.  Settled in a colony near Rio das Antas – Rio Grande do Sul. Giacomo helped build the house and sowing the land, but it wasn’t the farmer life he dreamed about. So, in 1896 he moved to Vacaria, were he met an italian gentleman who taught him to photograph in a very simple and rudimentary way. With his câmera, traveled from city to city, farm to farm, taking pictures of party fields, weddings and family moments.

Asked by his son Ulysses why he chosen to be a photographer, a profession so ungrateful to the time, and having so much ability and itelligence, he answered: "Shooting at that time was very difficult, that’s why I wanted to learn."

Giacomo stoped travelling in 1909 and in 1910 moved to Caxias do Sul, were he opened the Studio Geremia, in Júlio de Castilhos Avenue. Giacomo managed to make people want to leave recorded special moments, and it became a tradition. So, in the 20s, the Studio established as the main photographic studio in Caxias, and from then, it also started being a school for new professionals.

He was a self-taught, and also a teacher. Always wanted to be ahead of his time, bought new magazines, studied hard to upgrade and innovate even more. Was a great portraitist. Photographed at the time of the glass negatives, where the image had to be completely static. And witnessed the modernity of the new cameras, which allowed recording the instant in motion. He retired in 1960 and died in September 20th 1966, deservedly recognized as the biggest photography authority in Caxias do Sul.

Giacomo and his wife Ida had seven children: Ulysses, Léo, Duílio, Osmar, Hélio, Remy and the firstborn Elisabeta.

Léo was a great retoucher. He made wrinkles and dark circles disappear with an unique ability. Ulysses quoted with this following words about his brother’s talent: “Today he is one of the greatest expressions in Rio Grande do Sul. He was also an autodidact. At that time we didn’t have colourd photographs, but we had special oil paints that were bought in America for this purpose”. But of all his children, only Ulysses followed his father’s profession.



ULYSSES GEREMIA



By: Joel Jordani.
 Ulysses was born in Caxias do Sul in 1911. During his childhood, saw his father photographing and began enjoying the art. Near 1933, started working only with photography. As his father, speacialized in portraits, but he expanded the work. “The old man tought me the technique, so that’s why the tree went up straight. Having flaws in the beggining makes you a mediocre professional. He tried to give me a good knowledge, from there, we got a balance”.

Started professionaly producing 3x4 formats with glass negatives. But quickly started photographing portraits of style: he organized the ambient, studied the best angle, the light incidency, captured the way of posing. These details, as he quoted, were references to a great job. Prefered photographing children and men for being more natural works. Meanwhile the woman has more expression, it’s delicate and sensitive. And capting this sensitivity, this softness, were one of his biggest chalenges: “The feminine picture is difficult; it’s ike salt in a soup, should neither be more nor less”.

As his father, he was also a studious professional, dedicated, willing to continue learning, always paying attention to the evolution of photography, the techniques used in other countries and to the develpment of the photograpic equipments.

Father and son always preserved their records. In 1948, they began stocking all the negatives to preserve all the memory of the region, that were five generations of Caxienses photographed by them.

Studio Geremia finished their activities in 1997 because Ulysses were sicka nd couldn’t photograph anymore. Died in October 03, 2001 at age of 90, of wich, more than 50 dedicaded to recording moments. He was considered by Kodak Films as a legend of photography in Rio Grande do Sul.

In 2002, the Cityhall acquired part of the Studio Geremia archive composed with more than 8.000 glass negatives, more than 100 thousand flexible negatives, dozens of images, furniture, objects, equipments and photographic material. This collecton is now found in the Historical Municipal Arquive João Spadari Adami, in Caxias do Sul.





LUIZ GEREMIA


By: Studio Geremia
 Grandson of Giacomo and nephew of Ulysses, Luiz Geremia was born in Porto Alegre, 1959.

Thanks to his parents, Remy and Glória, Who always took him to Caxias during his childhood, had the opportunity to cohabit in the Studio with his uncle, and from little, started to follow this fascinating art. Instead of following his father carrear as a doctor, he ended up becoming the third generation of photographer in the family.

Began professionaly in 1980. During this 34 years, his love to photography and art enhances and consolidates even more. Not only by the talent he was gifted, but the sureness that photography is the biggest nourishment to the body and soul. In 1985 started directing and doing photography direction to TV commercials.

As his grandfather and uncle, is an autodidact. Speacilist in publicity photography ans books. Perfectionist, studious, always searching for new techniques, passionate about black and white pictures, now works in the digital age, but never forgeting the essence of photography, wich are the negatives, whom he worked with for more than 23 years. That gave him a great technique in the field of lighting.

Besides all these years working in studios, Geremia also photographed in Brasil, Europe and USA, this last one living during an year.

Believes that the success of his work lies in the way it is performed. "A work that captures feelings and boundaries, always to be pursued and overtaken, because there are no limits to art. The sensitivity to capture the moment, the gesture, the curve, perpetuating a minimum time lapse. Makes from the look, art. And from the shadows, pull a seductive enigma. The body is an extension of the soul, as the machine is to my photographic work”.

Living in Florianópolis since 2005, today shares his time between the studio and his daughter Paola, who was born in 2008. The father does not hide that, deep down, if the little one followed the family art, he would be very proud. But makes it clear that would never interfere in her ​​choices.

Recently was made ​​an exhibition celebrating more than 100 year of photography with pictures of Giacomo and Ulysses in Caxias do Sul. Geremia wants to do a new one, combining images of the three generations.

"The thrill of being able to express my feelings and touch the soul without barriers is my constant search, because in my silence no one can interfere." – Geremia

The surname Geremia left as legacy in these 118 years, professionalism, dedication, and above all, ethics.




Fonte da pesquisa:
Documentos do Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami







Giacomo, Ulysses e Luiz: a Família Geremia

Três gerações e 118 anos eternizando momentos


 
 
GIACOMO GEREMIA
Foto Studio Geremia
Giacomo Geremia nasceu em San Martino di Lupari, próximo a Pádova, no Vêneto, em 15 de outubro de 1880. Filho de Antônio e Regina, chegou ao Brasil em 1892, aos 12 anos, com seus pais e seu irmão Pio. Se estabeleceram em uma colônia próxima ao Rio das Antas, no Rio Grande do Sul. Giacomo ajudou na construção da casa e na semeadura da terra. Porém, não era a vida de agricultor que ele prentendia seguir. Pediu para que o irmão cuidasse dos pais e foi a pé de Antônio Prado à Porto Alegre. Lá, trabalhou em uma fábrica de móveis, onde aprendeu a tornear; trabalhou também vendendo água potável em uma carrocinha. Mais tarde, teve bronquite asmática, e como naquela época não existiam medicamentos, os médicos lhe aconselharam respirar o ar da serra. Então, em 1896, instalou-se em Vacaria, onde conheceu um senhor italiano que lhe ensinou a fotografar, obviamente, de uma maneira muito simples, rudimentar. Somente mais tarde foi se aperfeiçoando na profissão. Com sua câmera, passou a viajar de cidade em cidade, fazenda em fazenda, fotografando festas no campo, casamentos, momentos familiares.


Perguntado pelo filho Ulysses o por quê de ter escolhido ser fotógrafo, um ramo tão ingrato à epoca, e tendo ele tanta capacidade e inteligência, respondeu: “Fotografar naquele tempo era muito difícil, por isso quis aprender”.

Giacomo parou de viajar em 1909, pois casou-se em Antônio Prado com Ângela Ida Zacchera. Em 1910 mudou-se para Caxias do Sul, e abriu o Studio Geremia, na Avenida Júlio de Castilhos. Com móveis e objetos que ajudavam a recriar a realidade, com a dedicação, o amor pela arte, e o trabalho primoroso, o Studio Geremia passou a receber muitos clientes, de vários lugares da região. Giacomo conseguiu fazer com que as pessoas quisessem deixar registrados momentos especiais, tornando-se isto, uma tradição. Assim, na década de 20, o Studio firma-se como o principal estabalecimento fotográfico de Caxias, e a partir daí, seria também uma escola para novos profissionais.

Era um autodidata, e também um mestre. Queria sempre estar à frente de seu tempo, mandava buscar revistas, estudava muito para se atualizar e inovar cada vez mais. Foi um grande retratista. Fotografou na época dos negativos em vidro, onde a imagem tinha que estar completamente estática. E testemunhou a modernidade das novas câmeras, que permitiam registrar o instante em movimento. Aposentou-se em 1960 e veio a falecer em 20 de setembro de 1966, merecidamente reconhecido como a maior autoridade da fotografia de Caxias do Sul.

Giacomo e sua esposa Ida tiveram sete filhos: Ulysses, Léo, Duílio, Osmar, Hélio, Remy e a primogênita Elisabeta, que nasceu em 1909 e faleceu em 1910 (um dos únicos registros, ou talvez o único, que Giacomo tinha da filha, foi feito no velório da menina, já que naquele tempo era tradição fotografar pessoas mortas).

Léo foi um grande retocador. Fazia desaparecer rugas, sulcos e olheiras com uma habilidade ímpar. Ulysses deixa registrado o talento do irmão com as seguintes palavras: “Atualmente é uma das maiores expressões no Rio Grande do Sul. Ele também foi um autodidata. Naquele tempo não se fazia fotografia colorida, mas tínhamos tintas a óleo especiais que buscávamos nos Estados Unidos para esta finalidade. Ele fazia os coloridos tão perfeitos que eram mais bonitos que os de hoje, que se faz diretamente. Pelo preto e branco ele via se tinha olhos verdes ou azuis e coloria manualmente”.

Mas, de todos os filhos, somente Ulysses seguiu a profissão do pai.


ULYSSES GEREMIA

Foto Joel Jordani.
 Ulysses nasceu em Caxias do Sul, em 1911. Passou a infância vendo o pai fotografar, e tomou gosto pela arte. Porém, como na época não havia o ginásio na cidade, foi estudar no Colégio Dante Alighieri, em Porto Alegre, onde cursou Comércio. De volta a Caxias, trabalhou muito tempo na empresa De Carli e Paganelli, e, quando saía do trabalho, ajudava o pai a recortar os retratos. Por volta de 1933, começou a trabalhar somente com a fotografia. Como o pai, se especializou no retrato, embora fotografasse várias áreas, como por exemplo, publicidade. “ O velho me ensinou a técnica, por isso, a árvore subiu reta. Ter defeitos, de início, faz com que se seja um profissional medíocre. Ele procurou me dar a base dentro de um alicerce bom, dali, então, a gente começou o saldo”.


Iniciou profissionalmente produzindo os formatos 3x4, com negativos em vidro. Mas, rapidamente, passou a fazer retratos de estilo: arrumava o ambiente, estudava o melhor ângulo, a incidência da luz, captava o jeito da pessoa que ia retratar. Esses detalhes, segundo ele, eram referência para a realização de um bom trabalho. “Ninguém quer sair como é, até o homem. Então nós temos que encontrar o melhor ângulo. Sempre tem uma janela que sai melhor. Se tu vens tirar uma foto 3x4, eu te boto lá sentada e mando o rapaz bater… Agora, se tu vens fazer uma fotografia séria, eu tenho que estudar o tipo de rosto, como está vestida, como estão os cabelos e encontrar a janela ideal”.

Tinha preferência por fotografar crianças e homens, por serem trabalhos mais naturais. Enquanto a mulher tem mais expressão, é delicada e sensível. E captar essa sensibilidade, essa delicadeza, era um de seus maiores desafios: “A foto feminina é difícil; é como o sal na sopa, não deve nem ter mais, nem menos”.

A exemplo de seu pai, também foi um profissional estudioso, dedicado, disposto a continuar aprendendo, sempre atento à evolução da fotografia, às técnicas utilizadas em outros países e ao desenvolvimento dos equipamentos fotográficos.

Pai e filho sempre se preocuparam em preservar todos esses registros. Em 1948, começaram a guarda organizada dos negativos, para resguardar toda a memória da região, que gira em torno de cinco gerações de Caxienses fotografadas por eles.

O fotojornalismo também fez parte de sua trajetória. “Aprendi a ser até jornalista e me orgulho muito disto”. Registrou eventos importantíssimos e fez muitas fotos para o jornal Correio do Povo, de Porto Alegre. Mas o que ficou gravado em sua memória foi a ida do Presidente Getúlio Vargas à Caxias do Sul, dias antes de suicidar-se, para a inauguração do Monumento ao Imigrante Italiano, em 1954.

O Studio Geremia encerrou suas atividades em 1997, por Ulysses estar doente e não conseguir mais fotografar. Veio a falecer em 03 de outubro de 2001, aos 90 anos, dos quais mais de 50 dedicados à registrar momentos, e considerado pela Kodak Filmes como uma lenda da fotografia no Rio Grande do Sul.

Em 2002, a Prefeitura adquiriu parte do acervo do Studio Geremia, composto por mais de 8.000 negativos de vidro, mais de 100 mil negativos flexíveis, dezenas de imagens, móveis, objetos, equipamentos e materiais fotográficos. Este acervo encontra-se no Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, em Caxias do Sul.


LUIZ GEREMIA
Foto Studio Geremia
 Neto de Giacomo e sobrinho de Ulysses, Luiz Geremia nasceu em Porto Alegre, em 1959.


Graças à seus pais, Remy e Glória, que sempre o levavam à Caxias durante sua infância, teve a oportunidade de conviver no Studio com seu tio, e desde pequeno acompanhar essa fascinante arte de perpetuar instantes. Ao invés de seguir a carreira de seu pai, a medicina, acabou tornando-se a terceira geração da família de fotógrafos.

Profissionalmente começou em 1980. Durante esses todos esses anos, o amor pela arte da fotografia aumenta e consolida-se cada vez mais, não só pelo dom que herdou, mas pela certeza de que a fotografia é o maior alimento do corpo e da alma. “A sensação de poder expressar meus sentimentos e tocar a alma sem barreiras é minha procura constante, pois no meu silêncio ninguém pode interferir”.

Em 1985, passou a atuar na área de comerciais para a TV, como diretor de cena e fotografia.

Como o avô e o tio, também é um autodidata. Especialista em fotos publicitárias e books. Perfeccionista, estudioso, sempre à procura de novas técnicas, apaixonado pelo preto e branco, hoje trabalha na era digital, mas nunca esquecendo da essência da fotografia, que são os negativos, e com os quais trabalhou por mais de 24 anos. Isso deu a ele uma grande técnica no domínio de iluminação, hoje aplicada na digital.

Além de todos esses anos trabalhando em estúdio, Geremia também fotografou pelo Brasil, Europa e Estados Unidos, neste último tendo morado durante um ano.

Acredita que o sucesso de seu trabalho está na forma como ele é realizado. “Um trabalho que capta sensações e limites, sempre a serem perseguidos e ultrapassados, mesmo porque não há limites para a arte. A sensibilidade de captar o instante, o gesto, a curva, perpetuando assim, um mínimo lapso de tempo. Fazer do olhar, a arte. E tirar das sombras o enigma sedutor. O corpo é uma extensão da alma, como a máquina é para o meu trabalho fotográfico”.

Morando em Florianópolis desde 2005, hoje divide seu tempo entre o estúdio e a filha Paola, que nasceu em 2008. Geremia não esconde que, lá no fundo, se a pequena seguisse a arte da família, seria um grande orgulho. Mas, deixa claro que jamais irá interferir nas escolhas dela.

Vindo morar em Santa Catarina, ele teve a prova de que o trabalho dos Geremia ultrapassou há muito as fronteiras gaúchas.

“Fico surpreso e muito feliz quando encontro Caxienses aqui em Florianópolis que assistem minhas entrevistas ou me conhecem em algum lugar e que vêm até mim dizerem que as suas famílias foram fotografadas pelo meu avô ou pelo meu tio. E alguns deles, acabam sendo fotografados por mim. É o passado e o presente unidos ao acaso pelas lentes dos artistas de uma mesma família”.

Recentemente foi feita uma exposição dos mais de 100 anos da fotografia, com as fotos de Giacomo e Ulysses, em Caxias do Sul. Luiz pretende fazer uma nova, juntando imagens das três gerações.

O sobrenome Geremia deixou como legado, desde 1896, o profissionalismo, dedicação, e acima de tudo, ética.


Fonte da pesquisa:
Documentos do Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami

“A sensação de poder expressar meus sentimentos e tocar a alma sem barreiras é minha procura constante, pois no meu silêncio ninguém pode interferir”. Geremia

O sobrenome Geremia deixou como legado, desde 1896, o  profissionalismo, dedicação, e acima de tudo, ética.